<$BlogRSDUrl$>

terça-feira, outubro 14, 2003

PLACARES INFORMATIVOS 

À uns 5 anos atrás em Londres vi uns painéis em praticamente todas as paragens de autocarro em que informava o utente de quanto tempo faltava para o próximo autocarro. Informação muito útil se tivermos em conta por exemplo que quem tem urgência de chegar a algum local pode mais facilmente saber se ainda lhe dá para esperar pelo próximo 23 ou se apanha um taxi.
Claro que estamos a falar de uma grande cidade, acredito que o sistema tivesse uma falha de tempos a tempos, é um sistema desenvolvido por um humano, não é perfeito!
Mas a verdade é que se havia esses problemas eu nunca consegui detectar nenhum deles!
Consegui sim verificar que ao fim de algum tempo também apareceu em Portugal algo do género! Em Lisboa já o sistema está implantado! Fomos rápidos! Está a funcionar em vários pontos da cidade. Não sei é se os veículos estão todos preparados para corresponder ao serviço. E pelo que me pareceu à alguns dias atrás, este demonstra ser mais falível do que o de Londres.
Por vezes para o tempo, o autocarro chega e aila lá está a informação de que faltam 14 minutos para o próximo 45.
Outras vezes, o tempo está em contágem decrescente, e quando chega ao 1 e a piscar, aumenta novamente para o 3, não percebo bem é o porquê, essa parte não explicam lá! Parece que é por motivos de tráfego mas na verdade aquilo não devia era descer do 4 se ainda n passou o controlador 29.
Felizmente, ou infelizmente, não é só Lisboa que dispôe deste sistema. Também em Coimbra, a "capital do conhecimento", parece que o sistema já está implantado!
Mas não está! Na realidade apenas algumas viaturas dispõem deste sistema!
Este sistema aos fins-de-semana não funciona!!!
Com este sistema, os autocarros chegam à paragem e ainda lá está a dizer que faltam 3 minutos para o autocarro vir, quando vier alguém logo de seguida, vai ver que ainda falta 2 minutos ou mesmo 1 minuto!
Felizes ficam quando vêm essa informação, choram depois quando verificam que após o 1 minuto ficar a pescar, passa novamente para 15 minutos! Esperas e é se queres!
E não se fiem na nossa senhora que nem ela vos salva!
POR FAVOR vão buscar o sistema a Londres! Eu desconfio que estão a criar um Made In Portugal! Estão a tentar descobrir o ovo de colombo!

NO COMBOIO ... 

Já não fazia uma viagem nos nossos transportes públicos há algum tempo!
Esta segunda feira quando viajava de Lisboa para Coimbra nos magnificos comboios InterCidades da CP, acordei da minha bela "siesta" quando umas meninas se tiveram que sentar junto a mim.
Não é que a ideia não me tivesse agradado, pela parte da companhia, mas ... fiquei com o lugar do lado ocupado e já não pude dormir mais o resto da viagem.
A situação caricata era que alguém se esqueceu de informar uma passageira de que a carruagem 21, não fumadores, ficava a meio do comboio e não na frente, onde é a habitual 23, fumadores.
Normalmente toda a gente foge à carruagem do fumo, mas felizmente quando o comboio enche, metade são não fumadores, e da outra metade, só metade é que fuma em viagem, e dessa metade, poucos são os que acendem um cigarro com o anterior. Resumindo, o tabaco nem incomoda muito.
Assim, a tal passageira, como era aquela carruagem que estava mais à mão, limitou-se a ver o número do lugar que estava no seu bilhete e sentou-se nesse lugar, independentemente do número da carruagem.
Quando as duas meninas chegaram ao lugar, verificaram que o seu lugar estava ocupado e ao interpelarem a senhora esta recusou-se a sair do lugar que lhes pertencia alegando que não conseguia sair dali, estava cheia de sacos à sua volta (Mais parecia uma daquelas pessoas do interior que viajam no regional), e que não sabia ir para a sua carruagem.
POR FAVOR, alguém que ensine estas pessoas a ver toda a informação que vem no bilhete??? (Convém referir que os bilhetes agora até vêm presos a um folheto que explica toda a informação contida no bilhete!)
Porque será que eu continuo a adorar andar de transportes públicos? Porque me animam! :)

segunda-feira, setembro 29, 2003

NÃO SE ATROPELEM 

Adoro viajar nos transportes públicos!
Aquilo é uma aventura de cada vez que vou apanhar um barco ou um autocarro, nunca sabemos o que poderá vir dali e eu cá fico sempre atento à espera da proxima situação caricata!
Hoje fiz uma viagem que me deixou arrasado. Estava em casa, do outro lado de Lisboa, e queria ir ver o jogo da Académica contra o Belenenses no estádio de Taveiro.
O encontro estava marcado para as 21h30 e ainda não eram 16h quando eu saí de casa. Foi aí que iniciei uma viagem muito complicada!
Tem dias em que quase que se perde a vontade de ter saído de casa!
Fui a correr para apanhar o barco que partia dentro de 10 minutos. Fui bem sucedido! Cansei-me um pouco mas lá segui viagem para a capital. Ao desembarcar no cais dei uma corrida para a paragem de autocarro pois tinha 35 minutos para chegar ao Arco do Cego. O autocarro ainda demorou 10 minutos .. mais o trânsito, acabei por chegar ao Saldanha a 2 minutos da partida. Corri! Mais uma vez bem sucedido, apesar de ter que ir pedir ao motorista do expresso para aguardar 1 minuto para ir comprar o Bilhete!
A viagem estava a correr bem. Tirando andar nos limites de horários. Estava agora no meu transporte final que me deixava em Coimbra pelas 19h30.
O mais "animado" ainda estava para vir. Na curva antes da saída para Fátima, onde por acaso a viatura ia fazer escala, rebentou-se um pneu de trás do autocarro e o motorista lá teve que aguentar o "animal" durante uns 150 metros até o fazer parar!
Não morremos, nem ninguém ficou ferido! Terá sido N. Sr.ª de Fátima? Não sei, mas como sou ateu o maximo que podia a santa fazer era não deixar que aquilo acontecesse!
Tivemos sorte, e mais sorte ainda quando 2 minutos a seguir para uma viatura vazia que vinha de passagem para a central de Fátima. Lá conseguimos passar tudo para o outro carro e seguimos até Fátima. Aí tivemos que mudar novamente para outra viatura que estava ali à espera para fazer outra viagem.
Parecia que apesar de tudo as coisas até se estavam a resolver bem!
Eu tentei ajudar ao maximo a resolver os problemas que foram aparecendo e estava informado sobre tudo o que se estava a passar e sobre as decisões tomadas.
O resto dos passageiros que me foi fazendo perguntas ficou informado. Para mim o pior momento foi quando uma das passageiras não via a situação a ser resolvida com a rapidez que pretendia e só se queixava.
Eu tentei acalmar e explicar as coisas mas, quando eu estava a falar, alguém decidiu refilar ao mesmo tempo o que não permitia que essa pessoa ouvisse as explicações nem que as outras também me pudessem ouvir o que me obrigou a levantar o tom de voz!
POR FAVOR não atropelem! Deixem-me explicar!
As pessoas só complicam! Quase que acusavam os motoristas de todo o problema quando foi um deles que nos safou de estar naquele momento no hospital! Quando foram eles que nos tentaram arranjar uma solução o mais rapidamente possível sendo que 1 estava a fazer uma folga e ambos entravam no dia seguinte às 6h da manhã!
Enervou-me a situação mas no fim de contas estava animado na mesma!
Ia ver ainda a BRIOSA!
Com este atraso pedi para me deixarem o mais perto possível do estádio, 1 Km e meio. Lá tive eu que correr mais uma vez! Foi fatigante este dia e ... como um mal nunca vem só ... Vi um jogo de 11 contra 3 em que ganhou a equipe que mais jogou! A Equipe de Arbitragem conseguiu que a Académica perdesse um jogo que dominou.
Foi pena! Felizmente cá estarei para assistir aos proximos e continuar a apoiar!

domingo, setembro 28, 2003

FALTA DE CARÁCTER 

Uns não precisam e outros também não. Volta e meia existem situações em que certas pessoas aproveitam-se da desatenção dos proprietários e desviam alguns objectos que os mesmos têm para venda.
O juizo do popular tem a ver normalmente com a grandeza do "antigo" proprietário do bem em causa.
Se for uma grande instituição, todos colaboram ao jeito do Robin dos Bosques.
Esta não se passou comigo mas houve alguém que estava a trabalhar numa pequena frutaria e que se deparou com a caricata situação.
Uma senhora abastada, aproveitando a suposta distração da funcionária, desviou dois pessegos para dentro da mala de mão.
A funcionária que é suposto estar ali com um olho na fruta e outro na cigana, topou a manobra e lançou-lhe um comentário: Se a senhora quiser levar pessegos tem de os pagar.
A senhora ficou perplexa afirmando que a estavam a acusar de algo inacreditável.
Perante esta tentativa de fuga a jovem acabou por ser mais directa e disse-lhe que os pessegos que ela tinha colocado na mala eram para ser devolvidos.
A cigana, sem querer ofender as pessoas dessa digna raça, indignada, chamou malcriada à funcionária e acusou-a de falta de educação.
A menina que tentava resolver a situação de maneira a não prejudicar o seu patrão, dirigiu-se à mala da freguesa e pedindo licença retirou "à força" as duas peças de fruta do interior da mesma.
A idosa não ficando contente por a sua tentativa não ter sido bem sucedida resolveu após esta situação apresentar queixa na policia.
POR FAVOR, ROUBEM OS RICOS E NÃO OS POBRES!!!

FALSIFICADOR DE ASSINATURAS À FORÇA! 

No banco também trabalham pessoas incompetentes. Eu pensava que só lá trabalhavam pessoas com formação mas afinal cheguei à conclusão que a pessoa que nos atende na caixa do banco consegue ter menos formação do que a menina que está na caixa do Continente (Aliás tem delas que estão a tirar os seus cursos superiores e algumas que até já o concluiram mesmo!!!).
Quando fui levantar um cheque do meu salário que a minha entidade empregadora me passou, o senhor que se encontrava na caixa queria que eu assinasse o meu nome complecto.
Este senhor não devia saber que a assinatura de uma pessoa é aquela que consta do seu registo criminal, ou seja, aquela que está presente no seu Bilhete de Identidade? Ainda por cima nos bancos os clientes até costumam ter uma assinatura mais curta!
O cheque vinha com o meu nome complecto, o que se poderia verificar pelo meu documento de identificação, o qual na frente apresenta uma assinatura formada apenas pelos meus primeiro e ultimo nomes. O Sr. que me estava a atender decidiu então que a assinatura que eu tinha já colocado no endosso do cheque não era suficiente e queria que eu fizesse a minha assiantura contendo a totalidade do meu nome.
Depois de eu lhe mostrar a minha indignação ameacei-o para que me desse o valor que estava contido naquele cheque com o endosso que estava feito ou eu chamaria a policia!
Entretanto como vi que a atitude dele estava incorrecta e que eu já me estava a exaltar um pouco, disse-lhe para me chamar um seu superior.
Como já estavam algumas pessoas a tomar atenção à situação rapidamente um "responsável" se deslocou ao local para verificar a situação ao que eu lhe expliquei que o funcionário estava a querer que eu falsificasse a minha assinatura!
Julgo que por ver a situação que eu ali estava a criar, e talvez por compreender a minha razão, ele lá deu ordem ao dito caixa para me efectuar a troca do cheque em causa, aceitando a minha verdadeira assinatura.
Amanhã teremos uma peixeira do Bulhão a conceder créditos no banco.
POR FAVOR, CULTIVEM-SE!!!

CUIDADO COM A GARRAFA 

Certo dia após bela jantarada, de travessa cheia, fui com uns amigos ao Bar do Clube de Raguebi em Coimbra para uma noite de diversão.
A noite estava bastante animada, e abafada, naquele pequeno local onde diáriamente se juntam várias dezenas de jovens. Os donos da casa ali fazem o que querem, os meninos do raguebi.
Para o provar aqui conto a minha magnifica história em que consegui sair dali antes de levar mais uma.
Durante a bela noite replecta de musica, deparei-me com uma situação que achei pouco correcta, mas que até se compreende ao fim de alguns copos. Um individuo da minha altura, cerca de 1.90m, com duas vezes a minha massa corporal, tinha acabado de colocar uma garrafa de vidro vazia em cima de uma viga que passa por cima dos clientes em todo o comprimento da divisão em que nos encontráva-mos. Achei incorrecto e claro que nao podia ficar calado. Fui ter com ele e perguntei-lhe, delicadamente, se ele não achava que a garrafa não estava ali bem, alertando-o para o facto de que com a vibração a garrafa poder cair em cima de alguém.
O jovem como era "dono" do bar disse-me: Há algum problema? Estou na minha casa faço o que eu quiser!
Eu disse-lhe que comigo só havia problema se ela caisse em cima de mim. E que ele podia estar em sua casa mas que aquela não era a atitude correcta.
Tentei fazer-lhe ver as coisas, sem ofender e com a melhor das intenções!
Não tive que esperar 5 segundos para ter o "prazer" de ver o resultado da minha atitude. O braço do rapaz foi uns centimetros puxado atrás e em menos de lada era jogado violentamente contra a minha cara deixando-me a sangrar. Fiquei sem perceber o que se passava. Vejo-o a vir direito a mim para continuar a sua agressão, pois eu ainda estava em pé, e consegui afasta-lo com um pontapé na barriga.
Quando me deparei no chão apenas consegui espernear para o manter afastado e veio alguém mais velho que o conhecia e que o mandou embora e me levou para fora do recinto.
Como estava a sangrar precisei de me deslocar a uma torneira e enquanto me queixava ia deixando sair as palavras: Isto não fica assim, ele vai pagar!
Fui obrigado a calar-me assim que o individuo que supostamente me tava a ajudar me ameaçou que ou eu me calava ou levava já ali mais umas!
Ao ser colocado fora do bar, e impedido de regressar lá para dentro pelo segurança por provocar desacatos, esta parte teve piada, acabei por ligar para a policia para apresentar queixa.
Bem que os agentes vieram e eu apresentei a queixa mas o individuo, nem eu me recordava mais da cara dele, nem ele se encontrava já no bar de certeza pois deve ter saído pela porta dos fundos!
Uma pessoa já não pode prever os perigos e tentar alertar para evitar problemas que os problemas surgem seja de uma maneira ou de outra!
POR FAVOR NÃO ME BATAM!!!

BATAM COM UM TACO 

Estive durante uns meses a trabalhar para uma empresa de transportes públicos na nossa capital, lugar onde me orgulho de ter feito frente aos mais insultuosos passageiros.
Eu já passei pela pele de passageiro e pela pele de funcionário e por isso sei o que custa, mas diverti-me.
Quando via os utentes no Cais do Sodré a tentarem passar pelas maquinas controladoras sem utilizarem o seu titulo de transporte começava a minha diversão. Ali passavam pessoas de todas as raças e de todas as classes sociais.
as senhoras conseguiam ser as mais educadas apesar de uma ou outra aquando da minha abordagem para verificar o seu titulo de transporte, devido ao stress, ficavam cheias de vontade de me insultar. Gostava especialmente das que ao saberem que tinham agido mal me lançavam um sorriso o que até me levava a acabar por lhes evitar o esforço de estar a retirar o titulo ca carteira.
Uma das cenas de maior diversão para mim foi quando um individuo me chamou palhaço, não me comecei a rir na cara dele pois estaria a faltar-lhe ao respeito, pelo contrário, agradeci o "elogio". Das várias coisas que me chamou, julgo que não constava da lista a palavra PAI! Fico contente por tal pessoa não me comparar com alguém que não o soue educar devidamente!
Faltou-lhe o civismo e escrupulos para me enfrentar de homem para homem. Eu estava no meu posto de trabalho e ele sabia que eu não podia provocar desacatos.
Eu ao olhar para baixo só me vinha à ideia que aquele individuo tinha muita lata para estar a tentar gozar com alguém com mais 40 cm que ele.
Agradeci todo e qualquer insulto que ele me fez com um "OBRIGADO". E ainda lhe ofereci no final um "VOLTE SEMPRE".
POR FAVOR, se querem agredir alguém usem um ferro, um taco de baseball, sei lá ... ao menos algo que possa permitir a outra pessoa de se defender!

O MOTORISTA NÃO SABIA ... 

Fui assistir a um jogo de futebol da Académica de Coimbra no estádio de Taveiro durante a época passada.
Era mais um jogo a que eu ia, desta vez era um bastante importante para a equipa da casa pois defrontava o "invencível" Porto.
Segunda-feira, eu tinha uma semana muito preenchida com um evento que decorria em Coimbra e dei uma escapadela porque não queria faltar a tão importante encontro.
Quando o jogo acabou, com um brilhante empate conseguido pela Académica, dirigi-me ao autocarro colocado à disposição pela Camara Municipal para fazer gratuitamente o transporte do centro para o estádio e o respectivo regresso.
Como estava ocupado e a minha paragem era um pouco antes do centro, a situação com que me deparei não me podia deixar mais irritado.
Eu que fazia aquela viagem já à vários jogos, tinha anteriormente constatado que o autocarro costumava parar em todas as paragens onde houvesse passageiros para sair e quando eu carreguei no botão de PARAR, o motorista pareceu desconhecer o correcto percurso da viatura e seguiu pela via-rápida deixando-me 500 metros mais à frente.
POR FAVOR, eu estava com pressa e aquele "idiota" não me deixava sair na minha paragem???
Fui imediatamente refilar com aquele individuo que ainda me disse que a primeira paragem era aquela e que nas anteriores não era suposto parar!
Deixou-me tão enervado que só evitou uma maior agressão verbal da minha parte pois eu queria era ir para a festa e não me apetecia aturar um motorista mal informado!
ORGANIZEM-SE!!! Os motoristas de autocarros não sabem que para se estar a trabalhar num cargo em que se lida directamente com o público é preciso saber estar bem disposto?
Não obrigo ninguém a aturar a minha má disposição mas, se não estiverem a fazer mal as coisas não me salta a tampa!
Para a proxima ainda lhe direi no fim ... primeiro vá educar-se e depois vá trabalhar para pedreiro!

sábado, setembro 27, 2003

TELEMÓVEIS 

A ultima viagem que fiz numa viatura da Rede Expressos foi animada para quem assistia aos sucessivos telefonemas de um passageiro muito requisitado.
Calhou eu sentar-me no último banco da viatura pois nesta viagem, aquando da minha entrada, a escassez de lugares vagos era muita.
4 bancos à frente, no lugar da janela, viajava um sujeito heterossexual, pelo menos pelo que podiamos constatar pela sua voz pouco masculina, que se mantinha constantemente ocupado com o seu objecto de prazer, o telemóvel, efectuando chamadas para todas as suas amigas.
A situação sería normal, para quem vai fazer uma viagem para Lisboa de 2 horas e meia e está cheio de tempo livre. O que não é normal é que o dito individuo não se apercebesse que a sua voz "falsete" se ouvia de uma ponta à outra do autocarro, logicamente incomodando as outras pessoas que se viam assim obrigadas a ouvir as suas conversas telefónicas enquanto dizia às suas amigas que ia ficar uns dias pela capital.
Não me calei, tinha que colocar um ponto final na situação a que estava a assistir porque a viagem já não é muito agradável e menos ainda se estava a tornar.
Gritei para o individuo falar mais baixo e "imitei" com o seu tom de voz uma das palavras que ele tinha proferido segundos antes!
Pareceu que pelo menos ele se tinha apercebido e que o seu volume estava agora um pouco reduzido.
Pensei que tinha sido vitória para mim.
Após o terminus da chamada ele foi-se virando para trás a tentar perceber de onde tinha vindo a chamada de atenção.
Passado poucos minutos fez nova chamada e o tom de voz dele já estava um pouco mais audível. Estive para lhe ir desligar o telemóvel mas, deixei um pouco mais de tempo para que ele se pudesse aperceber da situação. Neste momento já as pessoas em volta se riam da sua voz e esperavam uma reação da minha parte. O telefonema acabou, durou pouco mais de 1 minuto. Foi o alivio novamente para todos nós.
Um rapaz 2 lugares ao lado do meu, recebeu também uma chamada do pai, até eu conseguia ouvir o que o pai dizia, coitado até parecia ser um pouco surdo pois o filho falava-lhe e ele sempre pedia para repetir. O rapaz não teve culpa mas tinha que naquele momento falar um pouco mais alto, e eu não podia usar dois pesos e duas medidas por isso logo lhe pedi para falar mais baixo.
Já várias pessoas olhavam para trás à espera do proximo passo e derrepente o nosso companheiro de viagem, do lugar à janela plantado, atende mais uma chamada e começa a falar e dá uma gargalhada que me fez lembrar a minha tia que quando se ri é o mais espalhafatosa possível.
Eu que estava a ver se descansava um pouco desta fatidica viagem, levantei-me, dirigi-me ao individuo e disse-lhe: Você desliga o telemóvel ou é preciso ser eu a desligar? Estou farto de o ouvir!
Terei sido um pouco arrogante? Ele pediu desculpa pr não se ter apercebido mas eu joguei-lhe na cara um "desculpe não, você já vem a incomodar toda a gente desde o início da viagem!"
Toda a gente viu a minha atitude e não houve ninguém que o defendesse, penso que a razão estava do meu lado!
Ganhei a batalha, passado algum tempo ainda ouvi risos de outros passageiros quando se ouviu o telemóvel dele tocar mas parece que ele se tinha deixado dormir! Era o próprio "colega" do lado que fazia os comentários para os passageiros do banco de trás "gozando" com o individuo que ia sentado a seu lado.
POR FAVOR respeitem-se uns aos outros!
Em outros locais já vi autocarros com o símbolo de proibição do uso do telemóvel!!!

FILAS NOS TRANPORTES PÚBLICOS  

Em alguns locais tenho o prazer de constatar o civilismo dos utentes de transportes públicos que formam fila junto das paragens de autocarro aguardando a sua vez para que depois venham outros, aparecidos de onde ninguém viu, que entram na sua frente e tomam o seu lugar sem pedir desculpa sequer.
Para mim que pouco me incomodo se viajo de pé (com uma melhor visão das passageiras) ou se viajo sentado (em frente daquela rapariga) até que não me incomoda muito mas como faço parte da geração "à rasca", nada posso fazer contra essas atitudes.
Nada, se não fosse eu o modelo escolhido para o programa de TV em que o outro tipo sempre dizia: "Porque a mim ninguém me cala!".
Sou filho de quem sou e sem cura!
Para meu belo prazer, sou volta e meia presenteado com a magnifica atitude de alguém de idade já a avançar para a reforma que decide colocar-se bem na minha frente quando eu vou a entrar para o autocarro sem me pedir licença para o fazer e quase me atropelando. E "porque a mim ninguém me cala" acabo logo por chamar à atenção da dita pessoa para que respeite a fila em causa pois a longa espera de 25 minutos não pode tolerar este tipo de situações! É do stress! Atiro-me, o mais educadamente possível, para cima desses individuos e faço-lhes ver que a geração que eles próprios dizem ser pouco educada só porque diz merda, caralho e foda-se no meio da rua sem se preocupar com quem está à sua volta, sabe respeitar muito melhor os outros, sejam eles mais velhos ou mais novos!
A educação de antigamente, que dizem que era mais severa, foi esquecida com o tempo?
Ou estaremos nós perante uma grave doença no nosso país?
Venho por este meio declarar a todos que grande parte do povo português sofre da doença de Alzeimer!
Acho que assim se explica mais facilmente a falta de civismo que se verifica no nosso país!
Mas como a nossa cultura tem algumas semelhanças com muitas outras, ao ver este tipo de situações eu digo "POR FAVOR" e os gregos dirão "PARAKALO"!

This page is powered by Blogger. Isn't yours?